A APPDI na promoção da igualdade de oportunidades no trabalho

Em alinhamento com a Estratégia Europa 2020 para o crescimento inteligente, sustentável e inclusivo da União Europeia, e com o objetivo encorajar os empregadores a implementar e desenvolver políticas e práticas internas de promoção da diversidade, a Comissão Europeia lançou um desafio aos países constituintes: a criação de uma Carta para a Diversidade.

Esta iniciativa consiste na elaboração de um documento curto, assinado de forma voluntária por empregadores de vários setores (público, privado com e sem fins lucrativos), que descreve medidas concretas que podem ser tomadas para promover a diversidade e a igualdade de oportunidades no trabalho, independentemente da origem cultural, étnica e social, orientação sexual, género, idade, caraterísticas físicas, estilo pessoal e religião.

Portugal, tal como outros 22 países europeus, quis endereçar este desafio! Assim, em 2016, e fruto do esforço e reflexão conjunta de várias organizações de todos os setores de atividade a nível nacional, surgiu a Carta Portuguesa para a Diversidade. A sua missão é clara: promover a diversidade e a inclusão nas diversas organizações e na sociedade portuguesa em geral, cooperando com as instituições nacionais e europeias relevantes para a prossecução das suas atividades. Hoje, a Carta Portuguesa para a Diversidade conta já com mais de 239 signatários, funcionando também como um ponto de contacto entre os mesmos para o desenvolvimento de iniciativas comuns e partilha de boas práticas.

Em 2018, e por forma a assegurar a sustentabilidade da Carta, foi criada a Associação Portuguesa para a Diversidade e Inclusão (APPDI). A Direção, eleita em Assembleia Geral, é composta por seis membros, sendo presidida pela EDP e contando com a Associação Crescer como tesoureiro, com o secretário Clube Intercultural Europeu, os vogais a L’OREAL e a GRAFE e a Rede Ex-Aequo como suplente. Já a mesa da Assembleia Geral é presidida pela Animar, tendo como secretários a LYD e a Stone Soup. O Conselho Fiscal é presidido pela PwC, e tem como secretários o GeoClube e a CerciOeiras.

Esta recém-criada associação tem como principal atribuição a gestão das atividades da Carta Portuguesa para a Diversidade a nível nacional e europeu, procurando desenvolver soluções e criar o suporte necessário para alavancar a execução de um plano de ação ambicioso. Este plano contempla ações de formação e sensibilização em diferentes contextos, promoção de tertúlias temáticas, eventos como o III Fórum nacional para a Diversidade (a acontecer dias 28 e 29 de outubro em Lisboa) e a distribuição de instrumentos úteis incluídos na caixa de ferramentas para a Diversidade e Inclusão, além dos vários grupos de trabalho que reúnem mensalmente. As organizações associadas da APPDI usufruem ainda de descontos e participação gratuita em muitas destas atividades.

No âmbito da igualdade de género, destaca-se o projeto das Engenheiras por um dia, promovido pela Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade. Este projeto faz parte da agenda para a Igualdade no Mercado de Trabalho e nas Empresas e tem como eixo estruturante o combate à segregação de homens e mulheres em determinadas áreas profissionais. Neste sentido, o projeto Engenheiras por um dia visa combater os estereótipos de género e a subsequente segregação sexual nas opções escolares, formativas e profissionais. Pretende-se promover junto das alunas e dos alunos, do ensino secundário (em especial dos cursos científico-tecnológicos) e do 3.º ciclo do ensino básico, a opção pelas engenharias e pelas tecnologias (de formação superior ou profissional), desconstruindo a ideia de que estes são domínios masculinos.

Como? Percorrendo escolas de norte a sul do país com partilha de casos reais, casos de sucesso, casos de mulheres, profissionais dos mais diversos setores, que têm desenvolvido o seu percurso em áreas de engenharias e tecnologias que, nos dias de hoje, ainda podem ser conotadas como masculinas. Em 2019, ano em que se realiza a 2ª edição deste projeto, foram envolvidas 11 universidades, mais de 25 empresas e mais de 50 engenheiras que partilharam o seu testemunho em 39 escolas, impactando mais de 2.500 jovens de todo o país.

 

Este é apenas um dos exemplos das iniciativas que a APPDI tem vindo a desenvolver, com o envolvimento dos seus associados e dos membros signatários da Carta Portuguesa para a Diversidade. É esta colaboração para a criação de medidas concretas e com impactos mensuráveis que reforça o compromisso da APPDI para com um conjunto de princípios que promovem o respeito e a valorização das diferenças entre as pessoas, e que potenciam a igualdade de tratamento e de oportunidades, combatendo os estereótipos e as discriminações e fomentando uma cultura de inclusão baseada no respeito pelo ser humano. Se a sua organização se revê nos valores promovidos pela APPDI, junte-se a nós.

Artigo publicado em Maio de 2019 na revista Human Resources Portugal